Hidrelétrica Teles Pires: Energia Eficiente

Categoria: Notícias


Compartilhe este espaço. Esta área é destinada aos jornalistas.
Aqui você encontra Avisos de Pauta, Indicação de Fontes e Releases.
Para entrar em contato com a Assessoria de Imprensa, mande seu e-mail para:
comunicacao@uhetelespires.com.br

Povos indígenas da bacia do Juruena (MT) visitam a UHE Teles Pires

14/11/2017. Publicado em Imprensa, Notícias, Novidades.

A Companhia Hidrelétrica Teles Pires (CHTP) recebeu nos dias 07 e 08 de novembro cerca de 80 lideranças indígenas dos povos Rikbaktsa, Apiaká, Kayabi e Munduruku da bacia do rio Juruena, localizada no noroeste do Mato Grosso para uma visita às instalações da Hidrelétrica Teles Pires. A atividade ocorreu em apoio à Empresa de Pesquisa Energética (EPE) responsável pelo estudo de viabilidade da Usina Hidrelétrica (UHE) Castanheira.

Esse novo empreendimento projetado no rio Arinos, afluente do Juruena, entre os municípios de Juara e Novo Horizonte do Norte, terá potência prevista de 140 MW de energia, o suficiente para abastecer uma cidade com mais de 500 mil habitantes. A visita também contou com a participação da Fundação Nacional do Índio (Funai) uma vez que as pesquisas por lá estão em fase de elaboração do componente indígena.

De acordo com a consultora técnica da EPE, Glauce Maria Lieggio Botelho, o processo de licenciamento da usina Castanheira ainda está na fase das pesquisas. “Quando apresentamos o projeto, os povos indígenas solicitaram conhecer uma usina em construção e outra em operação, porque mesmo mostrando desenhos do projeto, eles queriam ver ao vivo, além de fazer um intercâmbio com os parentes que passaram por um processo de implantação de usina para conversar sobre os aspectos positivos e negativos. E quando for apresentada a matriz de impacto e os programas do PBAI (Projeto Básico Ambiental Indígena) eles vão ter muito mais propriedade e conhecimento”, disse a consultora.

Com o acompanhamento dos técnicos da UHE Teles Pires, os grupos indígenas do Juruena tiveram a oportunidade de conhecer as principais estruturas da usina como tomada d´água, vertedouro, barragem e casa de força. Também assistiram a apresentação das ações dos programas executados pela Teles Pires junto às comunidades indígenas da área de influência do empreendimento, debatendo e esclarecendo dúvidas. Antes da visita ao empreendimento o grupo esteve na aldeia polo Kururuzinho do povo Kayabi para conversar sobre o processo de implantação da Hidrelétrica e efetividade dos programas da CHTP.

Segundo o professor indígena Paulo Henrique Skiripi Rikbaktsa, da aldeia Barranco Vermelho, a visita e o intercâmbio são necessários para que os índios conheçam o processo de implantação e operação de uma usina hidrelétrica e as mudanças ambientais e sociais que podem ocorrer. “Essa visita é muito importante porque todos nós sabemos que existe um medo em relação aos grandes empreendimentos das usinas hidrelétricas e outros empreendimentos que afetam as comunidades indígenas. Então a visita é para a gente conhecer quais são os impactos ambientais e sociais. Vai servir de exemplo para a nossa auto-organização interna. Vamos conversar com a nossa comunidade para que a gente possa achar uma alternativa. Não somos contra o progresso, mas precisa ser um trabalho em conjunto com as comunidades”, ressaltou a liderança do povo Rikbaktsa.

A CHTP é formada pelas empresas Neoenergia, Eletrobrás Furnas e Eletrosul, e é a responsável pela implantação e operação da UHE Teles Pires, o 10º maior empreendimento do setor no Brasil, localizado na fronteira dos municípios de Jacareacanga (PA) e Paranaíta (MT). A usina entrou em operação comercial no segundo semestre de 2015 com potência instalada de 1.820 megawatts, energia suficiente para abastecer uma população de cinco milhões de habitantes. Em sua área de atuação desenvolve 45 programas socioambientais integralmente alinhados aos princípios da sustentabilidade que buscam a preservação ambiental da fauna, flora, água e solo local, além do respeito à diversidade cultural por meio da valorização da cultura indígena e a promoção de atividades econômicas e sociais na região.

Continuar lendo esta matéria »

Arrastão ecológico recolhe lixo no rio Teles Pires em Paranaíta

11/10/2017. Publicado em Imprensa, Notícias, Novidades.

A Associação dos Pescadores Esportivos de Paranaíta (Apep) promoveu no domingo (08) a 5ª edição do Arrastão de Limpeza do Rio Teles Pires. A ação contou com a parceria da Usina Hidrelétrica Teles Pires e da Prefeitura Municipal de Paranaíta.

Os participantes desse arrastão navegaram em barcos motorizados, um trecho de aproximadamente 20 quilômetros ao longo do rio Teles Pires, na região da Balsa do Cajueiro/Fest Praia, em Paranaíta, à procura de lixo descartado de forma incorreta dentro do rio, em canais, ilhas e barrancos.

O vice-presidente da Apep, Otílio Ribeiro, popular Maré Alta, destacou que a iniciativa nasceu da necessidade de conscientizar a população sobre a importância de preservar os recursos naturais e proteger o rio Teles Pires. “É importante multiplicar esse tipo de campanha, porque a conscientização de não sujar a natureza vem de berço. Uma criança que participa hoje desse evento, vai crescer com a consciência de não jogar latinha, papel, garrafa ou qualquer outro tipo de lixo no rio e em locais inadequados”, destacou Otílio.

Voluntário e membro da Apep, Felix Marin participa desde a primeira edição do evento – “se todo mundo fizesse a sua parte, o rio não estaria com tantos resíduos que poluem o meio ambiente. Quando vou pescar, recolho todo o lixo, até o que não é meu, e levo junto para descartar na coleta de lixo da cidade”, disse.

Em menos de três horas, a equipe do Arrastão da Limpeza recolheu tanto lixo que daria para encher a caçamba de um caminhão. E a surpresa foi encontrar os mais variados tipos de resíduos poluindo o Teles Pires. De freezers à pias de lavar louça, sacolas plásticas, latões, vasilhames de ceva, redes, cadeiras, latinhas, garrafas pet e de vidro, canos e mangueiras utilizadas em garimpo entre outros resíduos foram encontrados durante a ação. A maior parte do lixo foi recolhida nas ilhas, onde as pessoas vão acampar ou utilizam como ponto de apoio de pesca e deixam os resíduos no local.

A coordenadora do Programa de Educação Ambiental da UHE Teles Pires, Marcileny Miranda, reforçou que o lixo é de responsabilidade de todos. “O lixo descartado no meio ambiente de forma incorreta vai atingir toda a população, porque ele causa poluição e contaminações que não ficam num local isolado, se espalham e acabam chegando até as famílias, afeta a qualidade da água, do ar, dos animais e das plantas. Além disso, todo mundo gosta de ir pescar ou tomar banho e encontrar um ambiente limpo”, concluiu.

Além de apoiar o Arrastão, a Companhia Hidrelétrica Teles Pires tem desenvolvido ações junto aos pescadores e demais frequentadores do rio Teles Pires, em Paranaíta, abordando a temática do descarte correto de resíduos com o intuito de cuidar e preservar o meio ambiente.

Para 2018, a Apep pretende ampliar as ações envolvendo mais parcerias, alunos e demais segmentos da sociedade em prol da preservação dos recursos naturais da região.

Continuar lendo esta matéria »

Concurso de sustentabilidade na construção civil premia alunos de engenharia de Alta Floresta

05/09/2017. Publicado em Imprensa, Notícias, Novidades.

De acordo com o Conselho Internacional da Construção (CIB), a indústria da construção é responsável pelo maior consumo de recursos naturais e geração de resíduos no mundo, também é o setor que mais possui tecnologia para investir em medidas de preservação ambiental. Dentro dessa realidade, o conceito de sustentabilidade tem crescido no ramo de engenharia civil.

E calcada nesse princípio, a Companhia Hidrelétrica Teles Pires (CHTP) junto à Coordenação do Curso de Engenharia, vinculado à Faculdade de Direito de Alta Floresta (Fadaf), realizaram no final de agosto, a seleção dos projetos vencedores do concurso de Aplicação dos Princípios de Sustentabilidade em Construções da Região Amazônica.

A ação envolveu alunos do sexto semestre de Engenharia Civil da Fadaf e teve como objetivo valorizar e estimular ideias inovadoras dentro dos princípios da sustentabilidade em edificações. “A construção sustentável é um conceito novo que desafia os profissionais da engenharia. É preciso pensar todo o ciclo de vida da edificação, como vai ser a sua manutenção, a demolição e reciclagem. O que hoje é um diferencial para o profissional, logo vai se tornar requisito básico e o concurso vem estimular essas práticas” explicou a analista de obras da CHTP, Aline Soares.

Os alunos apresentaram ideias para os dois projetos que serão construídos pela CHTP no município de Paranaíta. O primeiro é um Centro Comunitário de 400 m² que vai abrigar a sede de uma cooperativa mista para venda e escoamento da produção local do assentamento São Pedro entre outras atividades da população. A edificação será construída na comunidade Jardim do Éden e faz parte do Projeto de Revitalização do PA São Pedro (Prasp), idealizado pela CHTP. “A economia e o meio ambiente devem caminhar juntos, e os futuros engenheiros estão de parabéns pelo empenho nas propostas apresentadas”, destacou a coordenadora de Socioeconomia da CHTP, Marcileny Miranda.

Os acadêmicos tiveram que levar em consideração a temperatura, o reaproveitamento de materiais, as características do terreno, a iluminação natural, a redução do consumo de água, a qualidade de vida da população local, entre outras medidas ambientalmente corretas. A melhor proposta para o Centro Comunitário foi dos acadêmicos Claiton Spiller, Lucas Ribeiro Sanches e Robert da Silva.

O estudante Claiton Spiller contou que o grupo buscou experiências em outras obras e na realidade local. “Hoje matérias primas que antes eram abundantes, a exemplo da madeira, já estão mais escassas e precisamos repensar a aplicação de alguns materiais, ver a questão do solo, da diminuição das chuvas, o aumento da temperatura, entre outras questões”, pontuou.

O segundo projeto é de uma Casa de Cultura e Memória de 362,89 m², destinada à realização de eventos culturais, apresentações, oficinas, cursos, reuniões e exposições ao público em geral. Os futuros engenheiros Pamela Maruza Wons, Bruna Pinheiro Pompilho, Arno Mauro Batista da Silva foram os contemplados dessa categoria. “Sustentabilidade hoje é uma palavra mundial, não tem como iniciar uma obra sem ter no mínimo alguns traços sustentáveis e o concurso instigou a gente a pensar e a buscar alternativas para colaborar com as questões ambientais e sociais. Também trouxe a responsabilidade e oportunidade de poder estagiar dentro da maior empresa da região, referencia em engenharia civil que é a nossa área”, destacou Arno Mauro Batista.

O coordenador do curso de Engenharia Civil da FADAF, professor Sandro Adir Swiderski, revelou que os trabalhos surpreenderam positivamente a comissão organizadora do concurso formada por ele, pelos engenheiros da CHTP, Geandre Ernesto da Silva e Aline Soares. “Os alunos se dedicaram muito, a maioria trabalha e precisa estudar muito porque a engenharia civil exige isso. É uma experiência que vão levar para o resto da vida, para os futuros projetos e até para trabalhos de conclusão de curso”.

O concurso faz parte do Programa de Educação Ambiental (P.42) da UHE Teles Pires. Os dois trios vencedores vão participar de uma visita técnica à UHE Teles Pires para conhecer o desempenho e funcionamento do empreendimento e o processo de segurança da barragem; terão o nome gravado na placa das obras, no item de elaboração do Projeto Sustentável; artigo sobre o projeto na Revista Inovar & Construir e estágio curricular na empresa contratada para execução das obras do Centro Comunitário e da Casa de Cultura e Memória em Paranaíta (MT).

Também participaram do concurso os acadêmicos Carlos Henrique Fouto, Caetano Henrique Hirota Correa, José Antônio Da Costa Jr, Wanderley Jr, Altair Ricson Vicente Florencio, Paulo Henrique Dal Moro, Alisson de Souza da Silva, Luciane Franciele Silva e Tiago Marcondes.

Continuar lendo esta matéria »

CHTP lança concurso de projeto sustentável em parceria com a Faculdade de Alta Floresta

01/08/2017. Publicado em Imprensa, Notícias, Novidades.

Treze equipes formadas por acadêmicos do sexto semestre de Engenharia Civil da Faculdade de Alta Floresta (FAF), inscreveram-se no concurso de Aplicação dos Princípios de Sustentabilidade em Construções da Região Amazônica lançado, no mês de Julho, pela Companhia Hidrelétrica Teles Pires (CHTP) em parceria com a instituição de ensino superior. Os futuros engenheiros terão que desenvolver ideias com base nos princípios de sustentabilidade para aplicação em dois projetos de construção civil a serem executados pela CHTP.

“A iniciativa visa valorizar e estimular ideias inovadoras que despertem o interesse por materiais sustentáveis que reduzam os impactos ao meio ambiente, que levem em consideração a economia de energia, o equilíbrio da temperatura interior de edificações, o reaproveitamento de água, entre outras alternativas sustentáveis. Hoje o mercado de trabalho busca profissionais com essa visão, e essa experiência, com certeza será um diferencial no currículo dos participantes” explicou a analista de obras da CHTP, Aline Soares.

Os participantes do concurso terão que desenvolver ideias para dois projetos. O primeiro é de um Centro Comunitário de 400 m², que vai atender os moradores do assentamento São Pedro, em Paranaíta/MT, em diversas atividades e ainda abrigar cooperativas mistas que utilizarão o espaço para venda e escoamento da produção local. A edificação será construída na comunidade Jardim do Éden e faz parte do Projeto de Revitalização do PA São Pedro (Prasp), idealizado pela CHTP. O segundo projeto é de uma Casa de Cultura de Memória de 362,89 m², que será construída pelo empreendedor no município de Paranaíta para realização de eventos ligados à administração municipal, como apresentações, oficinas, cursos, reuniões, exposições ao público em geral, entre outras atividades.

Os acadêmicos que tiverem o projeto selecionado para execução terão a oportunidade de realizar uma visita técnica à UHE Teles Pires, durante a fase de operação, para conhecer o desempenho e funcionamento da Hidrelétrica e processo de segurança da barragem; terão o nome gravado na placa da obra, no item de elaboração do Projeto Sustentável; artigo sobre o projeto na Revista Inovar & Construir e estágio curricular na empresa contratada para execução das obras do Centro Comunitário no Assentamento São Pedro e da Casa de Cultura e Memória em Paranaíta.

De acordo com o coordenador do curso de Engenharia Civil, prof. Sandro Adir Swiderski, a iniciativa é uma importante ferramenta de aprendizado para os acadêmicos. “As ideais que serão apresentadas podem servir para os projetos em questão ou para futuros trabalhos. A palavra concurso não cabe aqui, o que vale mesmo é o aprendizado e experiência que os alunos vão adquirir durante os estudos, com as pesquisas e elaboração dos projetos”, pontuou.

O concurso vai avaliar as ideias mais criativas, o comprometimento e cumprimento dos prazos, trabalho em equipe, nome da proposta e quantidade de itens de sustentabilidade criados para os projetos. O resultado final do concurso será divulgado no dia 31 de agosto, podendo haver prorrogação.

Continuar lendo esta matéria »

UHE Teles Pires entrega oito patrulhas mecanizadas para o PA São Pedro em Paranaíta Projeto de Revitalização do Assentamento prevê ainda regularização dos lotes

30/07/2017. Publicado em Imprensa, Notícias, Novidades.

A Companhia Hidrelétrica Teles Pires (CHTP) realizou no mês de julho a entrega de oito patrulhas agrícolas e implementos para os moradores do assentamento São Pedro em Paranaíta (MT).  A ação faz parte do Projeto de Revitalização do Assentamento (PRASP) que vai beneficiar cerca de 700 famílias com aproximadamente oito milhões em investimentos na localidade.

Cerca de mil pessoas acompanharam o evento que aconteceu na comunidade Jardim do Éden e que contou também com o lançamento da pedra fundamental para a construção do centro comunitário, pela CHTP, que vai atender os moradores da gleba em diversas atividades e ainda alojar cooperativas mistas que utilizarão o espaço para venda e escoamento da produção local.

Representantes da CHTP, Prefeitura de Paranaíta, Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social (BNDES), e do Instituto Nacional de Colonização e de Reforma Agrária (Incra), que são parceiros desse projeto, foram acolhidos pelos moradores e representantes da Cooperativa Mista de Agricultores do Assentamento (COOMASP) juntamente com os membros do Conselho Gestor do PRASP para um almoço organizado especialmente para essa entrega, que na região já virou um marco.

“É um grande projeto que começou a ser pensado e trabalhado em 2013. Uma iniciativa que já deu certo, pois possui grandes parceiros e o empenho da comunidade com a qual vamos trabalhar a geração de renda, a regularização das propriedades, o desenvolvimento de ações sustentáveis entre outras questões”, destacou o diretor de Meio Ambiente e Sustentabilidade da CHTP, Marcos Duarte.

O PRASP é um projeto inovador, que conseguiu reunir iniciativa privada, comunidade e instituições públicas para o seu desenvolvimento. De acordo com o representante do BNDES, Luciano Cordeiro, o PRASP simboliza desenvolvimento local e regional. “É com muita alegria que o BNDES participa desse projeto. Hoje é só o começo das ações que estão sendo implementadas no assentamento com objetivo de fomentar emprego, renda e autonomia para as famílias”, pontou o profissional.

O projeto tem cinco frentes de atuação com os programas de Gestão, Organização Espacial, Produtivo, Garantia de Direitos Sociais e Garantia de Direitos Ambientais que abrangem ações de recuperação e manutenção de estradas, construção de um centro comunitário, diagnóstico socioeconômico e ambiental, fortalecimento da cadeia leiteira e da agroindústria, incentivo à produção de hortaliças, capacitações e assistência técnica, aquisição de patrulhas mecanizadas, georreferênciamento e Cadastro Ambiental Rural (CAR), titulação definitiva de posse da terra, zoneamento ambiental, implantação de unidades demonstrativas, recuperação de nascentes e áreas degradadas entre outras atividades.

Durante a cerimônia de entrega das patrulhas, o diretor de desenvolvimento do Incra/MT, Adair José Alves Moreira destacou que o momento é de priorizar as ações para que os assentados recebam o  título de posse das terras. “Cabe ao Incra fazer a titulação dos lotes, para que possam ter o registro em cartório, o que significa mais segurança para as famílias, mais cidadania e dignidade para cada um. E hoje, dentro das parcerias do projeto, o município de Paranaíta assumiu a execução do georreferênciamento do perímetro e dos lotes, um por um, e nós assumimos o compromisso de fazer a fiscalização, aprovar esse trabalho e encaminhar para a titulação o mais rápido possível”, disse Adair.

Já o prefeito de Paranaíta, Tony Rufatto reforçou a boa notícia aos produtores rurais. “Nós já fizemos a primeira parte do geo junto com o Instituto Centro de Vida (ICV) e com a parceria da prefeitura de Alta Floresta, que nos emprestou equipamento. Agora vamos fazer lote a lote. Não tenham dúvida que vai acontecer”, enfatizou o prefeito.

Novos benefícios

O terreno onde será construído o centro comunitário do Assentamento foi doado pelo agropecuarista Celso Gomes dos Santos que possui propriedade na região e que de imediato mostrou apoio à Cooperativa e ao projeto. O local terá ainda um galpão de aproximadamente 800m² para abrigar os equipamentos doados pela CHTP, e a comunidade já ganhou, inclusive, a madeira para fazer o alojamento das patrulhas e o cercamento do terreno, doada pela Empresa de Energia São Manoel.

Para o assentado Francisco Passos, de 64 anos, que vive na comunidade Arco Íris, as ações do projeto vão melhorar os trabalhos e produtividade na propriedade. “A gente trabalha com gado, apicultura, planta banana, abacaxi, cria pequenos animais e agora os tratores vão ajudar todo mundo porque tem época certa para plantio e colheita e vamos conseguir produzir, melhorar nossa renda e dignidade”, frisou o pequeno produtor rural.

A gestão das Patrulhas Agrícolas será de responsabilidade conjunta e solidária da COOMASP e do Conselho Gestor do PRASP que tem atribuição consultiva, informativa e fiscalizadora com objetivo de garantir resultados na aplicação dos recursos para promover o desenvolvimento do assentamento.

Continuar lendo esta matéria »

Equipe do projeto Rondon conhece UHE Teles Pires

28/07/2017. Publicado em Imprensa, Notícias, Novidades.

A UHE Teles Pires recebeu no dia 20 de julho um grupo de estudantes e professores do Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN) que estiveram na Usina para conhecer o processo de geração de energia, a estrutura e atividades que envolvem a instalação e operação de um empreendimento de grande porte. O grupo formado por professor, coordenadora e acadêmicos das áreas de gestão pública, turismo, construção civil e produção cultural faz parte do Projeto Rondon, coordenado pelo Ministério da Defesa, que executa ações de desenvolvimento sustentável em diversas comunidades do país.

A visita foi acompanhada e guiada por profissionais das áreas técnica, ambiental e de segurança que fizeram apresentação do empreendimento e responderam os questionamentos do grupo. A acadêmica de Gestão Pública Kimberly Camargo destacou o conhecimento adquirido durante a visita a usina. “Muitas vezes, a gente só questiona e compreende os aspectos externos e não tem a oportunidade de conhecer a fundo empreendimento desse porte e, essa é a oportunidade de conhecer o sistema operacional e tudo que o envolve, com certeza sairemos daqui com mais experiência e conhecimento”, disse.

Localizada no rio Teles Pires, divisa dos estados do Pará e de Mato Grosso a UHE Teles Pires é a décima maior usina em capacidade instalada (1.820 megawatts), o que significa geração de energia para atender quase três milhões de famílias, cerca de 2% da energia consumida no Brasil.

O empreendimento já recebeu centenas de visitantes, entre eles moradores da região, estudantes, autoridades, representantes de entidades de classe entre outros interessados em conhecer o processo de geração de energia e as atividades que envolvem uma usina desse porte. De acordo com o gerente de operação, Muller Gonçalves, a usina passa por manutenção de rotina que deve durar até o final de outubro, quando o empreendimento estará de portas abertas para receber novos visitantes. As visitas devem ser agendadas com antecedência pelo e-mail comunicacao@uhetelespires.com.br .

Continuar lendo esta matéria »

Semana do Meio Ambiente: CHTP estende ações ambientais para todo mês de junho

29/06/2017. Publicado em Imprensa, Notícias, Novidades.

A Companhia Hidrelétrica Teles Pires (CHTP) desenvolveu durante o mês de junho diversas atividades alusivas à Semana do Meio Ambiente e que envolveram desde os colaboradores do empreendimento aos estudantes e comunidade em geral dos municípios de Paranaíta e Alta Floresta. Distribuição e plantio de mudas, palestras e orientações técnicas foram as principais ações registradas.

Durante a Caravana da Transformação, promovida pelo governo do estado do Mato Grosso em Alta Floresta, foram distribuídas cerca de 1500 mudas de espécies nativas da região numa parceria da UHE Teles Pires com a empresa Elo Ambiental e Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema/MT). “Recebemos as mudas que são produzidas no Viveiro (Eco Vida) através de um programa da usina e estamos distribuindo aos participantes interessados e produtores que vão utilizar no processo de recuperação de áreas degradadas”, disse o diretor da unidade da Sema em Alta Floresta, Vinícius Rezek.

Além da distribuição de mudas, o Viveiro Eco Vida, localizado na comunidade Entre Rios, no assentamento São Pedro em Paranaíta, recebeu no mês de junho a visita de 344 pessoas entre alunos e professores de ensino médio e superior que foram conhecer as atividades ambientais da unidade. A empresa Elo Ambiental, que coordena o viveiro mantido pela CHTP, promoveu palestras e deu auxílio técnico para aproximadamente 150 alunos de escolas públicas de Paranaíta sobre as espécies e de como realizar o plantio de mudas nos pátios de suas escolas.

A unidade produz mudas de aproximadamente 275 espécies a partir da coleta de sementes na região. Nos últimos meses, o Viveiro recebeu mais de mil visitantes entre comunidades locais, escolares, projetos sociais, universidades e outras instituições.

As ações alusivas à Semana do Meio Ambiente também envolveram os colaboradores da UHE Teles Pires com palestras sobre o tema e plantio de mudas de 39 espécies nativas em uma área próxima a Central de Gerenciamento de Resíduos (CGR) na usina. Entre as variedades escolhidas estão itaúba, ipê, jenipapo, embaúba, sucupira branca, murici e barbatimão. “As atividades promovidas pela CHTP nesse período buscaram conscientizar as pessoas sobre boas práticas ecológicas e ambientalmente corretas, o que vai ao encontro dos conceitos sustentáveis da UHE Teles Pires, construída em sistema fio d’água para reduzir os impactos e gerar energia limpa”, pontou o diretor de Meio Ambiente e Sustentabilidade da hidrelétrica, Marcos Duarte.

Continuar lendo esta matéria »

CHTP no combate ao abuso e à exploração sexual de crianças e adolescentes

18/05/2017. Publicado em Especiais, Imprensa, Notícias, Novidades.

Continuar lendo esta matéria »

Equipe de Operação da UHE Teles Pires recebe Certificação Técnica

10/03/2017. Publicado em Imprensa, Notícias, Novidades.

A Usina Hidrelétrica Teles Pires acaba de certificar 15 colaboradores que atuam no setor de Operação da usina. Os profissionais foram aprovados no Curso de Certificação Técnica para Operadores ministrado pela CiberCentro, empresa especializada neste tipo de certificação.

A atividade iniciou em outubro com definição do conteúdo programático que abordou os procedimentos de rede do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), manual de operação dos equipamentos da UHE Teles Pires, manobras de bloqueio dos equipamentos para intervenção dos equipamentos e manual de operação do vertedouro. Entre os meses de novembro e fevereiro os colaboradores estudaram e realizaram provas simuladas e de certificação.

De acordo com o gerente de Operação e Manutenção da UHE Teles Pires, Müller Cáffaro Gonçalves, o treinamento é de extrema importância tanto para o empreendimento quanto para os colaboradores. “Certifica que toda a equipe responsável pela operação do empreendimento possui plenos conhecimentos dos procedimentos de rede do ONS, bem como dos principais procedimentos internos necessários para a operação e manutenção da Usina”, pontuou.

O técnico de operação júnior, Rogemberg Almeida Salvador, atua desde 2014 no empreendimento. Formado em eletrotécnica, foi um dos participantes do curso. “O treinamento é importante para o desenvolvimento e aperfeiçoamento profissional nas operações que envolvem o Sistema Interligado Nacional (SIN) e os subsistemas de distribuição de energia. Aprendi a ter como meta o crescimento profissional e o real cumprimento dos objetivos, respeitando a todos, primando pela aplicação dos conceitos de segurança requeridos pela empresa, no zelo pela integridade física da equipe e dos equipamentos”, destacou o profissional.

A Usina Hidrelétrica Teles Pires, localizada na fronteira dos municípios de Jacareacanga (PA) e Paranaíta (MT), está entre os maiores empreendimentos hidrelétricos do Brasil, com potência instalada de 1.820 megawatts, energia suficiente para abastecer uma população de cinco milhões de habitantes. Dentro da área de atuação são desenvolvidos 45 programas socioambientais integralmente alinhados aos princípios da sustentabilidade que buscam a preservação ambiental da fauna, flora, água e solo local, além  da promoção de atividades culturais, econômicas e sociais na região. O empreendimento foi implantado e é operado pela Companhia Hidrelétrica Teles Pires (CHTP), formada atualmente pelas empresas Neoenergia, Eletrobrás Furnas e Eletrosul.

Continuar lendo esta matéria »

CHTP e Prefeitura de Paranaíta entregam mudas para reflorestamento

08/03/2017. Publicado em Imprensa, Notícias, Novidades.

Cerca de 100 produtores rurais de Paranaíta devem receber nos próximos meses um kit com aproximadamente mil mudas de árvores nativas destinadas à áreas de reflorestamento para recuperação do passivo ambiental nas propriedades. A distribuição das mudas está sendo feita pela Secretaria de Agricultura de Paranaíta, por meio de uma parceria entre a prefeitura e a Companhia Hidrelétrica Teles Pires (CHTP).

As mudas são produzidas no viveiro Eco Vida, localizado na comunidade Entre Rios, no Assentamento São Pedro. A unidade, cedida pela Prefeitura de Paranaíta e mantida pela CHTP, produz mudas de aproximadamente 275 espécies a partir da coleta de sementes na região de abrangência da Hidrelétrica Teles Pires. O trabalho é realizado pela empresa Elo Ambiental e visa preservar as espécies por meio de ações de reflorestamento no empreendimento e seu entorno, além de colaborar com ações de recuperação de áreas degradadas, campanhas ambientais e incentivo à produção de frutas junto aos produtores rurais que participam do Projeto de Revitalização do Assentamento São Pedro (PRASP).

“Além da recomposição florestal no entorno do reservatório da UHE Teles Pires e das ações do PRASP, temos essa parceria com a Prefeitura de Paranaíta para atender os produtores locais que precisam recuperar áreas de Preservação Permanente e proteger as nascentes. É uma atividade que estuda a vegetação florestal da região, produz mudas e auxilia na regularização do passivo ambiental”, explicou o coordenador do Programa de Salvamento de Germoplasma Vegetal e Implantação do Viveiro de Mudas da CHTP, Arthur Loiola.

Até agora foram entregues, por meio da parceria, 20 mil mudas de 70 espécies, sendo 8,5 mil para o Assentamento São Pedro e 11,5 mil para outras comunidades de Paranaíta. Essas últimas foram disponibilizadas no mês de fevereiro para os produtores cadastrados na Secretaria de Agricultura. “Entregamos cinco mil mudas para a Comunidade São Vicente e o restante para produtores do entorno da cidade. Vamos atender nos próximos meses cerca de 100 produtores com as mudas. Os proprietários rurais que não estão cadastrados e que precisam recuperar as APP’s também podem procurar a Secretaria para solicitar mudas”, disse o Secretário de Agricultura de Paranaíta, Maurício Rizzieri.

Entre as espécies distribuídas estão mudas de ingá, paineira, açaí, ipê, pata de vaca, jenipapo, cedro rosa, peroba, amapaí, champanhe, guarantã, mogno, flor de paca, timburí e  angelim saia.

Continuar lendo esta matéria »